As florestas antigas de pinheiro brasileiro: ecologia e crescimento

 
 

Resumo

 

Os conhecimentos dos estados de conservação das grandes árvores de araucárias e dos fragmentos florestais em estágio avançado são de suma importância para o desenvolvimento de ações de manejo e preservação ambiental. O potencial dessas florestas de araucária quanto ao ciclo de crescimento, estoque de carbono, biodiversidade e formas de vida associadas às árvores de grande porte ao longo do dossel são informações essenciais para a conservação ambiental. A relevância do estudo deve-se a falta de pesquisas científicas e raridade de remanescentes nesse estado de conservação no Planalto Sul Brasileiro. Perguntas básicas sobre a floresta de araucária ainda não foram respondidas, como exemplos: Quais são as maiores araucárias vivas em volume, altura e diâmetro? Qual é a área basal, a densidade, a altura média de florestas em estágio avançado? Onde estão essas árvores e essas florestas? Como podemos fazer legislações sobre estágios de sucessão se não sabemos essas respostas. Como queremos preservar esses remanescentes e essas grandes árvores se não as conhecemos? Como é a copa e o tronco dessas grandes árvores? Troncos de reiteração e ramos epicórnicos fazem parte da sua estrutura? Todas elas são ocadas e bifurcadas? Qual a idade e o tamanho máximo que essas árvores podem ter? Qual é o ciclo de vida da espécie? Para responder esses questionamentos, estudos serão realizados na Floresta Ombrófila Mista (FOM), dentre eles, a caracterização ambiental dos sítios de estudo, o mapeamento de copa da Araucaria angustifolia e a sua análise de tronco, visando o conhecimento do seu ciclo de vida e a biomassa da espécie. Os locais de estudo serão caracterizados por meio do uso do solo e de compartimentos geomorfológicos e pedológicos para compreensão do histórico de sobrevivência dessas grandes Araucárias para o entendimento das suas ocorrências no cenário atual. O mapeamento das florestas utilizará o protocolo de desenvolvido para quantização e visualizando estrutural do dossel em florestas altas e árvores individuais, desenvolvido para florestas antigas de Eucaliptus regans e Pseudosuga menziesiii. Essas informações serão obtidas escalando o dossel e pelo uso de equipamentos a laser para as medições dendrométricas não destrutivas fornecendo dados confiáveis de altura, comprimento de galhos, diâmetros e volume das árvores gigantes de araucária. Esses elementos permitirão a obtenção de desenhos em escala das árvores e do perfil florestal. Em conjunto parâmetros sociológicos e amostras de anéis de crescimento serão amostrados para caracterização do estágio sucessão e idade dessas florestas.

 

Palavras chave: árvores gigantes, Araucária, dendrometria, desenvolvimento de copa, galhos epicórmicos, troncos de reiteração.

 

APOIO E PATROCÍNIO: CNPq, UFSM e UFSC.

 

Notícias

02/09/2019 12:37
Enquanto diferentes partes da Amazônia pegavam fogo, uma equipe de 30 pessoas fazia uma...
19/06/2019 08:24
  https://www.frontiersin.org/articles/10.3389/ffgc.2019.00032/full https://www.frontiersin.o
11/06/2019 10:57
The state has some strict standards to be named an exceptional tree, and competition is pretty...
14/02/2019 13:33
Após muitos anos de trabalho, o artigo sobre a catalogação das últimas Araucárias Gigantes será...

Etiquetas

A lista de etiquetas está vazia.

Contato

Marcelo Callegari Scipioni Universidade Federal de Santa Catarina
Campus Curitibanos
Rod. Ulysses Gaboardi, s/n km 03

marcelo.scipioni@gmail.com